O AUTOR DA VIDA

entado junto à grande escrivaninha, o Autor abre o grande livro. Não há palavras. Não há palavras porque não existe nenhuma palavra. Não existe nenhuma palavra porque nenhuma palavra é necessária. Não há ouvidos para ouvi-las, não há olhos para lê-las. O Autor está só.

E então Ele toma a grande pena e começa a escrever. Assim como um pintor junta as suas cores, e um escultor, suas ferramentas, o Autor reúne suas palavras.

São três. Três únicas palavras. Dessas três fluirão milhões de pensamentos. Mas essas três palavras sustentarão toda a história.

Ele toma a pena e traça a primeira. T-e-m-p-o.

O tempo não existiu até que Ele escrevesse. Ele, em si, é atemporal, mas sua história ficaria fechada no tempo. A história teria o primeiro nascer do sol, o primeiro movimento da areia. Um começo... e um fim. Um capítulo final. Assim como qualquer autor, Ele o conhece antes de escrevê-lo.
Tempo. Um passo na trilha da eternidade.
Devagar, com ternura, o Autor escreve a segunda palavra. Um nome. A-d-ã-o.

Enquanto escreve, vê o primeiro Adão. Depois vê todos os outros. Em milhares de eras, em milhares de terras, o Autor os vê. Cada Adão. Cada filho. Instantaneamente amados. Permanentemente amados. E como não poderia deixar de ser, para cada um, designa um tempo. Para cada um, indica um lugar. Nenhum incidente. Nenhuma coincidência. Apenas desígnio.

O Autor faz uma promessa a esses não-nascidos. À minha imagem, fá-los-ei. Vocês serão como eu. Vão rir. Vão criar. Não morrerão, nunca. E ainda escreverão.
Cada vida é um livro, não para ser lido, mas, antes, uma história que deve ser escrita. O Autor inicia a história de cada vida, mas cada vida escreverá seu final.

Que liberdade perigosa. Seria muito mais seguro terminar a história de cada Adão. Registrar cada escolha. Seria mais simples. Seria mais seguro. Mas não seria amor. Amor só é amor quando há opção.

Assim, o Autor decide dar uma pena para cada filho. "Escrevam com cuidado", sussurra.

Carinhosamente, deliberadamente, escreve a terceira palavra, já sentindo a dor. E-m-a-n-u-e-l.
A maior mente do Universo imaginou o tempo. O mais capaz dos juízes garantiu uma escolha a
Adão. Mas foi o amor que concedeu o Emanuel, o Deus conosco.

O Autor entraria em sua própria história!

A Palavra tornar-se-ia carne. Ele também nasceria. Ele também seria humano. Ele também teria mãos e pés. Ele também teria lágrimas e provações.
E, o mais importante, Ele também teria uma escolha. Emanuel também estaria nas encruzilhadas da vida e da morte, e escolheria.

O Autor conhece bem o peso dessa decisão. Faz uma pausa ao escrever a página do seu próprio sofrimento. Podia parar. Até mesmo o Autor tem escolha. Mas como não criar, sendo Criador? Como não escrever, sendo Escritor? Como não amar, sendo Amor? Assim escolhe a vida, embora signifique a morte, na esperança de que seus filhos façam o mesmo.

E desse modo o Autor da Vida completa a história. Ele encrava a lança na carne, e rola a pedra sobre o túmulo. Conhecendo a escolha que fará, conhecendo a escolha que todos os Adões farão, escreve, "Fim", então fecha o livro e proclama o início.

"Haja luz!"

1 comentários:

Tiago disse...

WOW!!!
MUITO BOOOOOOOOOOOOM!


:oo

:D:D:D

GRATZ!
HAHAHAHA

Postar um comentário